Camila Curto – Campinas/SP

Demorei mais tempo para juntar as palavras e escrever este relato que para devorar o livro. Que alegria ler um livro tão leve e divertido. As referências à minha Vitorinha me deixaram com um gostinho de saudade, mas com a alegria de vê-la tão bem representada. Poder voltar no tempo, para a época de faculdade, as noites na Lama, as amizades, as confissões. Catarina sou eu, Catarina é qualquer um de nós, que com erros e acertos vai moldando sua história. Parabéns à autora que conseguiu abordar um tema recorrente com um novo olhar. E com um jeito especial que fez Catarina tão íntima de todos nós.